terça-feira, 14 de abril de 2015

Iogurte grego caseiro sem iogurteira e outras dicas importantes

Já não sei há quanto tempo andava para experimentar fazer iogurte grego em casa. Este mês finalmente resolvi aventurar-me e estou satisfeitíssima.

Gosto da textura destes iogurtes, mas nunca fui grande consumidora de iogurtes gregos de compra pela simples razão de terem uma elevada percentagem de gordura, amido e espessantes, tudo coisas que o nosso corpo e saúde dispensam. Por isso evitava comprar. 

A mim dá-me cada vez mais que pensar quando existem marcas que chegam a usar até 20 ingredientes para fazer um iogurte simples que leva apenas leite e fermento na receita original. E quem fala em iogurte, fala de outro alimento qualquer.

Durante este tempo vi muitas receitas de iogurte grego caseiro, umas com mais ingredientes do que outras, umas mais simples que outras. Fui aprendendo com o que fui lendo, até que me decidi a fazer iogurte grego caseiro e sem iogurteira.

A vantagem de não se usar a iogurteira é poder fazer-se a quantidade que se quer, sem estarmos condicionados pelo número de frascos (já para não falar na vantagem para quem quer fazer iogurtes caseiros mas não tem iogurteira). Até porque no caso do iogurte grego, convém fazer-se a preparação e a fermentação num único recipiente. Mais à frente vão perceber porquê. Em termos energéticos, sinceramente não faço ideia se ficará mais em conta o método utilizado, pondo de parte a iogurteira. No entanto, penso que mais caro não fica de certeza.

E seguindo a receita original só utilizo leite e fermento (os lactobacilos do iogurte).

Iogurte Grego Caseiro


Ingredientes:

Para cada litro de leite meio gordo, 2 colheres de chá de iogurte.

Preparação:

1) Levar o leite ao lume e assim que começar a formar bolhas de lado desligue. Verta o leite para dentro de um recipiente de vidro ou cerâmica (evite o plástico e o metal) e deixe arrefecer um pouco.

Informação adicional: 
Para preparar o iogurte é importante que o leite esteja bem quente, quase a ferver e depois é necessário deixar arrefecer a uma temperatura de mais ou menos 45º C.

Porquê aquecer se depois é para arrefecer?
Primeiro é necessário matar outras bactérias que podem interferir no processo de fermentação. Depois é necessário encontrar a temperatira ideal do leite para que as bactérias que nos interessam se reproduzam, fazendo a transformação química do leite em iogurte.

2) Retire a nata que se vai formando na supérfície do leite e caso não tenha um termómetro de cozinha, faça como eu e vá introduzindo o dedo indicador no leite. Quando conseguir aguentar até 10 segundos o calor, então o leite está à temperatura ideal para se colocar os lactobacilos.

3) Coloque as duas colheres de iogurte de compra ou caseiro dentro do leite e emulsione com uma vara de arames.

Informação adicional: 
É desnecessário colocar mais do que 2 colheres de chá de lactobacilos por cada litro de leite porque estas bactérias precisam de espaço para se multiplicarem no processo de fermentação.

4) Tape o recipiente com uma tampa ou com um simples prato. 

6) Pré-aqueça o forno a 180º C durante 1 minuto e desligue. Deixe a luz do forno acessa.

7) Embrulhe o recipiente numa pequena manta bem quentinha e coloque dentro do forno.



Informação adicional: 
Com estas condições conseguimos criar uma incubadora, que mais não faz do que manter a temperatura do leite, permitindo que as bactérias se propaguem e façam a fermentação. 

8) Deixe incubar durante 12 horas.

Informação adicional: 
o ideal é fazer o iogurte à noite e deixar fermentar até ao dia seguinte.

9) No fim do tempo de fermentação temos o nosso iogurte feito. 


Coalhada

A fase da coalhada consiste em transformar um iogurte normal num iogurte grego. E deve ser feita da seguinte forma:

1) Sobre um novo recipiente coloque uma peneira ou coador e dentro do coador um pano de cozinha limpo. Verta todo o iogurte para o centro do pano.





2) Tape o iogurte e leve ao frigorífico por cerca de 2 horas. O iogurte irá começar a largar o soro. Quanto mais tempo coalhar mais consistente o nosso iogurte irá ficar.



3) Retire o iogurte coalhado do frigorífico e mexa com uma colher. O iogurte grego está pronto (depois de coalhado ficamos com cerca de metade do iogurte inicial). Guarde num ou em vários pequenos potes de vidro. Utilize por dia, as quantidades que quiser e como quiser, até gastar (não se esqueça de reservar um pouco do seu iogurte para os próximos).

No frigorífico o iogurte mantém-se em perfeitas condições durante 10 dias.




Informação adicional: Quanto ao soro de leite, não deite fora porque este líquido está cheio de proteínas, vitaminas, minerais (muito cálcio) e enzimas. Para quem desconhece, o soro de leite é muito usado como suplemento alimentar de desportistas.

Em casa pode substituir a água que utiliza para a confeção de alguns alimentos por soro de leite. Eu utilizo na confeção do pão. Pode usar em batidos, sumos, sopas, etc... E até pode utilizar para regar as plantas. Elas agradecem :) Procure aqui e encontre mais ideias para utilizar o soro de leite.

Depois de pronto, podemos utilizar o nosso iogurte grego caseiro em molhos, sobremesas, adicionar açúcar, mel, fruta, granola, o que quisermos e como mais gostarmos.

O post já vai extenso, e provavelmente dá a ideia que é trabalhosa a confeção de iogurte grego caseiro. Mas é bastante fácil. A preparação não leva mais do que 10 minutos no total.

E podem ter a certeza que têm um iogurte grego de qualidade, compacto, de textura cremosa e muito mais saudável do que os de compra.

Eu ando completamente viciada nestes iogurtes. De manhã tenho optado por comer com fruta e granola sem qualquer adição de açúcar. Bebo o meu chazinho, como uma fatia do meu artisan bread e estou pronta para enfrentar o dia. 

Mesmo optando por comer este iogurte simples, não é amargo, o que dispensa a adição de açúcar (pelo menos o meu paladar não lhe sente a falta).

Beijinhos e boa semana.

39 comentários:

  1. Vou já experimentar :)
    Não vou nada.... pelo menos para já. Eu que não gosto de textos longos, li todas as letrinhas.
    Fiquei a salivar, garanto-te e com vontade de talvez no fim de semana experimentar.
    Beijinho Luarte e obrigada pela informação :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Teresa, vale mesmo a pena experimentar porque fica realmente muito bom.
      E obrigada por leres o post do princípio ao fim :)
      Beijinho e boas experiências.

      Eliminar
  2. Costumo fazer iogurtes na iogurteira, não tinha ideia que os gregos eram assim tão fáceis. Vou experimentar. Beijo

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. São mesmo fáceis. O processo de fermentação é igual aos normais, tem é depois uma etapa adicional, a da coalhada. Vale a pena experimentar. Aqui por casa correu tão bem a experiência que agora não quero outra coisa :)
      Beijinho

      Eliminar
  3. Adoro iogurte grego e já hábito fazer cá em casa, em vez do normal. Misturado com polpa de fruta, fica uma maravilha. Ainda ontem fiz uma fornada.

    Quando fizeres da próxima vez, aconselho-te a experimentares a espécie de queijo-creme que faço a partir do iogurte. Deixo sempre um bocadinho de iogurte a escorrer mais tempo (durante a noite). O que fica é uma pasta à qual junto depois alho em pó, cebolinho, um pouco de sal e sumo de lima (tudo a olho e ao gosto de cada um). Deixas repousar um bocado, para os sabores se misturarem e está pronto a comer. Uma delícia!

    Bjs

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigadíssima pela sugestão, Anabela! :)
      Qualquer dia experimento a tua pasta de queijo creme com ervas.
      Beijinho grande.

      Eliminar
  4. Bem do pao já sou completamente fa!! Agora tenho que experimentar o iogurte :)
    Um beijinho Lu e obrigada por tanta partilha interessante

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sei que vais adorar quando experimentares. Este iogurte é fantástico :)
      Beijinho bom.

      Eliminar
  5. Mmm... interessante. Nunca experimentei fazer iogurtes por não ter a iogurteira. Ainda pensei fazer uma com as indicações da Anabela, mas ficou-se pela vontade. Obrigado por esta partilha, acho que vou mesmo experimentar!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu tenho uma iogurteira que me ofereceram, pois na altura queria uma. Se fosse agora não faria esse investimento porque há outras formas bastante práticas de se fazer iogurtes em casa, como este método do forno. É simples e não dá trabalho nenhum. Para fazeres iogurtes normais, só tens de arranjar uns boiões de vidro com tampa e fazes a quantidade que bem entenderes.
      Beijinhos

      Eliminar
  6. Não sabia que dava para fazer iogurte sem o aparelho!!!! Vou tentar fazer.
    :)
    bjo

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Dá e ficam iguais, Greyce!
      Vale a pena experimentar :)
      Beijinhos

      Eliminar
  7. Eu consumo sempre os iogurtes do naturais do lidl, são óptimos e tem os ingredientes necessários. Gosto dos sem açúcar, simples. Misturo depois à minha maneira. Esses, talvez pelo post tão bem descrito, parecem dar uma trabalheira. O sabor compensa? Se sim, sou capaz de arriscar! ;)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Estás equivocada, p* !
      Estes iogurtes não dão assim tanto trabalho. Claro que dão sempre mais do que chegar ao supermercado e comprar :P
      Mas a qualidade compensa o pouco trabalho que exigem da minha parte. É que nem tem comparação possível.
      Beijinho

      Eliminar
    2. Vou experimentar então

      Eliminar
  8. Ando a ver se faço iogurtes cá em casa e este é uma excelente ideia, até pq não compro iogurtes gregos exactamente pelos mesmo motivos que tu. Tenho tentado encontrar frasquinhos de vidro com tampa de plastico para colocar os iogurtes, mas só encontro algo que se assemelha a "pequenos frascos de doce", com tampa metalica ( e por isso, propensa a enferrujar); sabes onde posso arranjar?
    Beijos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Há um tempo a minha irmã comprou desses frascos na Pollux, na baixa de Lisboa.
      Beijinhos

      Eliminar
  9. espalha brasas15 abril, 2015 23:22

    uma dúvida: leite de pacote ou leite do dia (em saco plástico). Obr.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Faço sempre com leite de pacote, mas também pode ser com o fresco.
      Beijinhos

      Eliminar
    2. Faço sempre com leite de pacote, mas também pode ser com o fresco.
      Beijinhos

      Eliminar
  10. Obrigado a pela dica da Pollux, segunda já lá passo :)

    ResponderEliminar
  11. Olá Luarte! Pode-se fazer este iogurte com leite magro??? Obrigada.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Nunca experimentei, por isso não sei responder à questão. Caso experimentos conta-me como correu.
      Beijinhos

      Eliminar
  12. Olá!!!
    Faço sempre os iogurtes em casa, mas com a Bimbu e a iogurteira que troquei com pontos da BP acumulados (agora vou à GALP). O que fez-me ter a certeza que estou no caminho certo, foi ter perguntado à equipa da Bimby quanto tempo de validade tinham os iogurtes feitos por nós... CINCO dias... fiquei a pensar... ao prazo extenso que têm os iogurtes de compra, quanta porcaria deve estar lá metida para que aquilo não estrague??!
    Beijinhos
    Sónia
    www.minhacasinhaeassim.blogspot.com

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá Sónia! Também tenho iogurteira, mas ultimamente não tenho usado porque tenho optado pelo método que explico neste post. Porém, tenho a dizer que os iogurtes feitos em casa têm muito mais tempo de duração do que 5 dias. Pelo menos o dobro do tempo têm garantidamente. Se o sabor e o aspecto do iogurte se mantiver não há razão para não se consumir. Cá em casa os iogurtes caseiros duram bastante tempo.
      Beijinhos

      Eliminar
    2. sim... confesso que também como alem dos 5 dias.. a iogurteita tem 7... passo sempre o prazo e estou por aqui! kkkk
      beijinhos

      Eliminar
  13. Já alguém experimentou fazer com leite sem lactose?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sim, já experimentei e resulta. Atenção que os derivados do leite, como por exemplo os iogurtes, têm menor quantidade de lactose do que o leite. Os lactobacilos digerem parcialmente a lactose o que torna o iogurte mais facilmente digerido do que o leite.

      Eliminar
  14. Esta explicação parece-me muito acessível Luarte :) É desta que experimento fazer iogurtes ;D
    Em relação às horas que deve estar no forno, eu queria começar por fazer um iogurte natural simples, sem ser grego, precisarei de tantas horas no forno?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá Sandra!
      O iogurte deve fermentar entre 10h a 12h.
      O processo de transformar o iogurte natural em grego é posterior ao processo anterior de fermentação.
      Beijinhos

      Eliminar
  15. Olá Luarte,
    outra utilização para o soro que sobra é fazer requeijão com ele. Nunca fiz, mas li por aí que é muito fácil. Ando tentada a experimentar. Parecendo que não, acaba-se por rentabilizar bem o leite utilizado.
    Cumprimentos,
    Ariana

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu gosto muito de requeijão. Tenho de procurar uma receita dessas. Obrigada pela partilha :)
      Beijinhos

      Eliminar
  16. olá novamente Luarte,
    afinal, após uma pesquisa na net, entendi que para fazer requeijão tem de se usar soro extraído do queijo fresco, ou seja, tem de ser soro resultante da mistura de leite dom coalho... O soro do iogurte não resulta em requeijão... Desculpa a desinformação...
    Ariana

    ResponderEliminar
  17. Bom dia Luarte,

    Pode fazer-se iogurte a partir do leite sem lactose? Obrigada

    ResponderEliminar
  18. Olá, muito interessante as suas dicas.
    Tenho algumas perguntas:
    Porque evitar os deposito de plástico?
    Porque algumas vezes faz mai soro que outras?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Depois do iogurte feito pode armazenar em potes de plastico, mas na fase de fermentação recomenda-se o vidro porque as propriedades do plástico podem interferir nessa fase. Quanto ao soro, não lhe sei dizer porque seguindo a mesma receita com o mesmo tipo de ingredientes obtenho mais ou menos a mesma quantidade de soro.

      Eliminar

Obrigada pela visita e pelo vosso comentário :)