segunda-feira, 12 de março de 2018

Tu e a Cereja


Com a tua chegada estávamos muito longe de imaginar o quanto a Cereja viria a ser importante na tua e na nossa vida ao longo destes 5 meses que estás connosco.

Não só porque adoras animais. Não só porque no teu imaginário tu sonhavas com uma família onde existisse um cão. Não só porque adoras a Cereja e é de derreter corações a maneira como a mimas e a tratas; da mesma maneira que lhe fazes traquinices e a chamas tantas e tantas vezes “minha quida mai linda e mavilhósa”. Quando vamos a algum lado tu pensas imediatamente nela. Se não pode ir connosco sentes pena. A vossa relação é extraordinária e é incrível saber o quanto é “mavilhóso” o teu coração e o quanto ele cresce connosco e com ela.


Mas mais importante é a empatia que no imediato criaste assim que soubeste da história de vida da Cereja. Nunca fizemos a associação da história dela com a tua história. Nunca. Mas tu fizeste-la. E a verdade é que tem ajudado tanto.

Sabes que a Cereja foi abandonada. Que a Cereja foi para um canil, um lugar onde os cães estão tristes porque não têm família e querem muito ter uma casa sua e uns donos que cuidem e ofereçam carinho e mimo. Sabes que fomos buscar a Cereja e que a Cereja foi adotada por nós. Sabes que não existem fotos da Cereja cachorrinha porque a Cereja já veio crescida para a nossa casa (tinha sensivelmente 1 ano). E sabes o quanto ela é amada e estimada por todos.

Foi talvez no primeiro mês, num dia de sessão de cinema no sofá, enquanto víamos “A Dama e o Vagabundo”, que tu verbalizaste pela primeira vez essa associação de histórias. Tu estavas no CAT (Centro de Acolhimento Temporário) e os pais também te foram buscar como foram buscar a Cereja. Ambos ganharam uma família. Foi tudo quanto disseste.

Quando vês um cão na rua sem dono a tua preocupação é imediata. “Está abandonado!” e mostras-te triste e preocupado porque vai para o canil.

Há 2 dias, estava eu a conduzir enquanto tu vinhas com a Cereja no banco de trás do carro e perguntaste: “Mãe qual era o nome antigo da Cereja?”. Fiz ali um compasso de espera de segundos para arranjar um nome que não me esquecesse e inventei este:

“Cereja Joaquina Almeida Costinha”.

Tu sabes que na altura em que os pais foram buscar a tua cadelinha já ela se chamava Cereja. Tal como tu já tinhas um primeiro nome. E que desde que passou a viver nesta casa é Cereja Patrícia e restantes apelidos da família. Os mesmos que irás ter quando todo o processo se concluir (nunca mais passam os eternos 6 meses de pré-adoção!).

No início ficavas baralhado quando ias ao médico e te chamavam pelo nome, que já te dissemos irá mudar quando chegarem os novos documentos. Por enquanto as outras pessoas não sabem que tu já não estás no CAT. Mas quando tiveres novos cartões todos saberão o teu novo nome e aí já não existirão mais confusões.

Por agora na tua cabeça tu achas que nasceste no CAT e que estavas lá à espera que os pais te fossem buscar. Que a psicóloga e a assistente social que nos visitam todos os meses em casa são as fadas madrinhas que avisaram a mãe e o pai que já tinham um filho e que esse filho eras tu. E por isso tivemos de viajar para longe para te ir buscar. E tu tiveste de fazer uma looooooonga viagem para chegares a casa (até agora a maior que já fizeste e na tua cabeça é mesmo muito, muito longa como se te tivessemos ido buscar à Conchichina). 

Mas voltando à tua pergunta sobre o anterior nome da Cereja, assim que ouviste a minha resposta não te vi o rosto, mas ouvi-te lá atrás a falares com a Cereja e a dizeres-lhe: “olha Cereja, eu também vou ter um nome novo como tu”, “Todos vão saber que somos da mesma família”. Nessa altura espreitei pelo espelho retrovisor e vi-te a afagares-lhe o pelo enquanto esboçavas um sorriso.

Obrigada Cereja por seres o nosso cão. Obrigada por tudo o que nos dás todos os dias da tua vida.

P. S. Para quem ainda não segue a Cereja na sua página do FB, podem fazê-lo aqui e acompanhar as suas histórias, aventuras e momentos em família :)

18 comentários:

  1. Luarte, gosto muito de te ler, adoro a tua personalidade, és uma pessoa fantástica! Sorte destes dois pequenos em ter uma mãe como tu <3 Felicidades para vocês!

    ResponderEliminar
  2. Que delicia, uma historia de amor verdadeiramente arrebatadora...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada por estares desse lado a torcer por nós. Beijinhos

      Eliminar
  3. A cada história vossa não deixo de me emocionar e deitar umas lágrimas. Obrigada por também fazerem parte da minha vida. Bjs

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada por viveres um bocadinho da nossa história com tanto carinho. Beijinhos

      Eliminar
  4. Bem hajam todas as mães do mundo, principalmente as que o são por vocação.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada pelas palavras. Um beijinho

      Eliminar
  5. Que lindo. Até fiquei com lágrimas nos olhos. Felicidades.

    ResponderEliminar
  6. MENINA, SÓ CONHEÇO VOCÊ DAQUI, MAS, POR VOCÊ SER COMO É...EU TE AMO ❤

    ResponderEliminar
  7. Olá Luarte, não costumo comentar, mas a tua história não deixa ninguém indiferente. Acompanhei pelo blog a chegada da Cereja e agora o teu filhote e a maneira como escreves sobre ambos é de tal forma carinhosa que nos toca.
    Felicidades.

    ResponderEliminar

Obrigada pela visita e pelo vosso comentário :)