terça-feira, 2 de Setembro de 2014

Henna para cabelos #2

No post anterior expliquei a minha experiência com a henna e os motivos que me levam a continuar a optar por este tipo de coloração no cabelo.

Hoje tentarei explicar como aplico a henna no cabelo.

Vamos então a isso.

Alguns dos utensílios/produtos necessários

Preparação:

1) Num recipiente de vidro ou plástico colocar a quantidade de pó recomendada para o comprimento do cabelo. A embalagem indica que se utilize o saco inteiro. Para cabelos médios ou curtos acho um desperdício de produto. Desde a primeira aplicação que coloco a olho a quantidade que me parece suficiente. Tenho misturado cores diferentes de henna (Henné Color Paris Brun e Auburn, numa proporção de cerca de 1/4 de Henne Auburn para 3/4 de Henne Brun). [Na última aplicação utilizei só uma qualidade: Henne Color Paris Brun]

Henna em pó

2) Como a henna é termoativa é necessário adicionar água quente e ir mexendo (não se deve usar utensílios de metal). Para obtermos a consistência desejada, uma espécie de pasta lisa, recomendo que se vá adicionando a água aos poucos e à medida que se faz a mistura ir percebendo como fica a textura (quanto mais água acrescentarmos, mais mole ficará a nossa pasta e é desagradável tê-la a escorrer pelo pescoço durante o tempo de repouso).

Início da mistura de henna com água quente

Pasta lisa de henna

3) Adicionar 1 colher de sopa de sumo de limão - a acidez faz com que as escamas do cabelo fechem, permitindo que a henna se deposite sobre os fios com maior eficácia.

4) Para um tratamento mais profundo, adicionar 1 colher de sopa de azeite ou óleo de amêndoas doces.

5) Proteger a pele que contorna toda a zona capilar com um gel/creme hidratante ou vaselina, de modo a evitar ficar com manchas mais escuras nessas zonas.

6) Calçar umas luvas e colocar uma proteção à volta do pescoço e ombros.

7) Aplicar com um pincel ou com as pontas dos dedos, e por mechas, a mistura de henna por todo o cabelo. É muito importante cobrir na totalidade os fios desde a raíz até às pontas. 

8) Massajar o couro cabeludo. 

9) Cobrir o cabelo com uma touca e por cima enrolar uma toalha seca (o calor ajuda no processo de coloração).

10) Deixar repousar entre 30 minutos a 2 horas. O resultado da cor irá depender do tempo que deixarmos o produto atuar. Quanto maior o tempo de repouso, mais profundo será o tratamento, mais definida, forte e vibrante será a cor obtida. Na primeira aplicação que fiz, deixei repousar 40 minutos. O resultado foi muito insuficiente. A partir daí, deixo sempre 2 horas. Menos que isso, a cor ficará menos intensa e os cabelos brancos mais a descoberto. Para acelerar o processo, podemos utilizar um secador de cabelo.

11) No fim, enxaguar abundantemente o cabelo com água para eliminar qualquer vestígio da pasta. Massajar bem o couro cabeludo durante este processo. Quando a água escorrer transparente, lavar com champô e aplicar creme amaciador. Deixar secar.

Não se esqueçam que a henna é uma planta e, por isso, não estranhem que o cabelo fique com um ligeiro cheiro a plantas, a chá, ou a erva acabada de cortar. Esse cheiro acabará por desaparecer pouco tempo depois.

Pessoalmente considero que a henna é uma excelente opção não só de coloração, como de tratamento e fortalecimento do cabelo.

Beijinhos

segunda-feira, 1 de Setembro de 2014

Henna para cabelos #1

aqui tinha partilhado convosco que pinto o cabelo.

Se no início foi por curiosidade e moda, há já vários anos que passou a ser por necessidade. A minha genética não perdoa. Tenho já muitos cabelos brancos que não gosto de ver. 

As últimas marcas que usei na coloração permanente do cabelo foram a Kéranove, sem amoníacos e parabenos, e depois a Herbatint, um gel colorante permanente com extratos vegetais, sem amoníaco, parabenos e resorcinol. 

Desde dezembro, depois de muito ter ouvido e lido, que decidi experimentar Henna no cabelo.

A henna é uma planta utilizada desde a antiguidade como corante (para cabelo, pele, unhas, tecidos), conservante e anti-fúngico.

Das folhas da henna é extraído o pó que será utilizado para tonalizar, colorir e tratar os cabelos.

É ideal para colorir e tratar cabelos naturais, não tingidos com tinturas químicas, enriquecendo os fios com reflexos mais ou menos intensos (a cor obtida depende da nuance de origem, mas nunca permite mudar radicalmente).

É excelente para tratar cabelos danificados por químicos, devido às suas propriedades anti-inflamatórias e anti-bacterianas. Quem possui cabelos brancos também pode utilizar a henna, assim como quem tem cabelos pintados.

O uso da henna como cobertura de cabelos brancos só é recomendado para quem tem até 50% de cabelos brancos ou para quem não tenha uma grande concentração de cabelos brancos numa determinada região capilar.

A henna pura é vermelha. As incolores, pretas ou castanhas recebem outros aditivos para conseguirem as suas tonalidades.

Há cerca de 8 meses comprei numa loja Celeiro (mas também se encontra à venda em qualquer loja de produtos naturais) duas embalagens de cor diferente e da marca  Henné Color Paris, colorante em pó.



A ideia não era utilizá-las em separado e à vez, mas fazer mistura de cores.

Desde essa altura que a coloração do meu cabelo tem sido feita com henna. E desde essa altura que não voltei a comprar novas embalagens de coloração porque o produto rende bastante. Nunca uma coloração me ficou tão barata.

Estou fã deste produto, por várias razões:

1) A henna é um produto mais natural e além de colorir, trata o cabelo.

2) O cabelo fica brilhante e com um aspeto muito saudável.

3) Enquanto a coloração química remove os pigmentos naturais do cabelo e deposita outros no seu lugar, a henna não penetra na estrutura dos fios, apenas se deposita sobre eles, garantindo a integridade e saúde dos cabelos.

4) No meu cabelo de tom castanho, a henna dá uma tonalidade mais vibrante e difusa à cor. A cor de base fica com reflexos vermelhos e os fios brancos recebem a mesma cor, mas ficam mais intensos. O efeito visual  é o da criação de madeixas muito naturais. Julgo que as duas próximas fotos dão para perceber o efeito, ainda que a última aplicação de henna no meu cabelo tenha sido há mais de um mês, e a cor já não esteja tão brilhante devido à exposição elevada ao sol e à água do mar.



5) Como a henna transforma os cabelos brancos em mechas naturais com reflexos e nuances mais vivos que o fio natural, deixei de ter raízes a aparecerem e a precisarem de coloração urgente. Sinto que necessito de nova aplicação de henna quando percebo que a cor de todo o cabelo está mais aberta (mais ou menos a cada 45 dias).

6) A henna deixa o cabelo mais encorpado, o que faz dela uma boa opção para quem como eu tem cabelos finos.  

E como este post já vai longo, num próximo partilharei convosco como faço a preparação e aplicação da henna no cabelo.

E vocês, já experimentaram henna no cabelo?

Beijinhos

sexta-feira, 29 de Agosto de 2014

Desafios entre bloggers

Fui desafiada pela Pandora, do blog Estórias na Caixa de Pandora, para responder a 2 desafios, assim de uma assentada só. Os desafios consistem em responder a umas perguntinhas e nomear outras bloggers para fazerem o mesmo.

A ideia é darmo-nos a conhecer um pouco melhor aos nossos leitores. Pessoalmente, penso que fazer este exercício mental e de escrita é sempre bom até para nos conhecermos a nós próprios.

Seguem então as perguntas dos desafios.

Desafio 1

1- O que você não sai de casa sem?
Pondo de parte o mais óbvio, que será a roupa e o calçado, não saio à rua sem tomar o pequeno-almoço e sem me olhar ao espelho.

2- Animal favorito?
O cão. Adorava ter um cão, mas o facto de viver num apartamento e ainda não conseguir ter uma vida feita de rotinas mais fixas e duradouras, tem-me refreado os ímpetos. Mais do que a vontade de ter um animal, penso que a prioridade é garantir as melhores condições para se ter um animal feliz.

3- Sapato favorito?
Todo aquele que dá bom andar, não cansa, não cria mau cheiro, nem faz bolhas nos pés. Sapatos assim, sejam altos ou rasos, são do melhor :)

4- Produto de maquilhagem indispensável?
Máscara. Umas pestanas com máscara ganham logo outra vida e os olhos ficam sem dúvida mais expressivos e bonitos.

5- Maior sonho?
A curto prazo é ter uma pequena autocaravana e poder viajar e passar uns fins de semana por aqui, por ali e acolá em total liberdade e comunhão com a natureza. A  curto, a médio e a longo prazo é continuar a ter saúde, amor e algum dinheiro. Tudo o resto são extras.

6- Maior defeito?
Ser demasiado perfecionista, impaciente e exigente comigo própria. 

7- O que te irrita nas pessoas?
Serem conflituosas, antipáticas, manipuladoras, mentirosas, invejosas, interesseiras e terem a mania da superioridade.

8- Comida favorita?
Eu sou um bom prato. Não há nada que não goste, mas há comidas que me deixam a boquinha a salivar, como o frango assado e a feijoada da avó Nina, a salada Russa de Perca e as salsichas enroladas em couve lombarda da Sogra, o Bacalhau com Natas da Mãe, o Bacalhau assado com batatas a murro do Pai.

9- Doce ou salgado?
Salgado ou agridoce.

10- O que te deixa feliz?
Fazer os outros felizes e conseguir atingir os meus objetivos.

11- Escolha 5 blogs para fazer este desafio.
É difícil escolher, por isso vou escolher as 5 bloggers mais corajosas, que serão as primeiras 5 que tiverem a coragem de comentar este post. Será que há corajosas para o desafio? Hmmm, não sei, não...

Desafio 2

1 - O que te fez criar um blog?
A compra da casa e o início de uma nova vida. Mas também a vontade de partilhar coisas que gosto, que faço, que uso, que resultam.... acima de tudo partilhar e trocar ideias com outras pessoas. 

2 - Como escolheste o nome para o teu blog?
Foi relativamente fácil porque sendo um blog de ideias e de muitas coisas que vou pensando e pondo em prática, é no fundo debaixo do telhado que crio a maior parte dos conteúdos dos posts que escrevo.

3 - Qual o assunto que mais gostas de tratar no teu blog?
O blog não é um diário dos meus dias, mas um espaço onde partilho ideias que poderão ser úteis a outros, porque como leitora que também sou, estou sempre atenta e ávida em aprender coisas novas na blogosfera que facilitem o meu dia-a-dia ou melhorem a qualidade ou organização da minha vida. A minha motivação para escrever no blog passa muito por aí, partilhar com os outros coisas que sei, outras que vou aprendendo e, por isso, gosto de qualquer um dos conteúdos que escrevo. Qualquer um tem o meu cunho, a minha identidade.

4 - Qual foi o post que mais gostaste de escrever até agora?
Não é fácil escolher porque gostei de todos, mas talvez o post mais importante de todos quantos escrevi tenha sido este, onde falo diretamente da endometriose e da minha experiência como portadora. Sinto que nesse post ajudei e alertei muitas mulheres com o meu testemunho. Sobretudo mulheres que sofrem e não sabem. Os comentários que me deixaram, bem como os e-mails que recebi na sequência desse post, fizeram-me sentir verdadeiramente útil num assunto tão importante como é a nossa saúde e bem-estar.

5 - O que esperas para o futuro do teu blog? 
Espero continuar a ter ideias para partilhar, vontade e tempo para escrever. Espero que continue a ser um espaço onde acima de tudo me divirto e aprendo, e onde os outros encontram um lugar aprazível, simpático e com conteúdos úteis. Espero continuar a receber o carinho, os comentários e opiniões de quem por aqui passa e me lê. Não há nada mais gratificante para um(a) blogger do que o feedback dos seus leitores. A minha energia e vontade em continuar a escrever passa muito por aí. 

Para responder a este desafio ficam automaticamente nomeadas as bloggers corajosas do primeiro desafio :)

Vá lá, não se acanhem ;)

Beijinhos

quinta-feira, 28 de Agosto de 2014

Strogonoff de frango com iogurte e abacaxi

Há mais de 1 ano que não compro um pacote de natas, nem confeciono refeições com natas.

As natas são um alimento altamente calórico e gordo e podem ser facilmente substituídas por outros ingredientes um pouco mais saudáveis como o iogurte natural, que por norma faço na iogurteira cá de casa.

Aqui falo de refeições salgadas, porque quando falamos de sobremesas nem sempre dá para substituir as natas. Mas como a fruta tem sido a minha sobremesa de eleição, deixo as sobremesas mais calóricas para ocasiões muito pontuais.

Hoje resolvi partilhar convosco a minha versão light do Strogonoff de frango.

Strogonoff de frango com iogurte e abacaxi



Ingredientes:

400 gr. de strogonoff de frango (ou tirinhas de peito de frango)
200 gr. de cogumelos
cubinhos de abacaxi  natural q.b.
1 iogurte natural
1 cebola média  picada
3 dentes de alho picados
2 colheres de sopa de molho de tomate
1 colher de sopa de molho inglês
1 folha de louro
azeite q.b.
sal e pimenta preta q.b.

Preparação:

1) Temperar o frango com sal e pimenta e reservar;

2) Fazer um refogado com o azeite, a cebola, o alho e o louro.

3) Acrescentar o frango e deixar cozinhar até ficar branquinho de todos os lados e começar a dourar;

4) Adicionar os cogumelos, o molho de tomate e o molho inglês;

5) Deixar cozinhar por mais 4 minutos

6) Quando começar a ferver, juntar o iogurte. Mexer bem para incorporar e deixar cozinhar por mais 3 minutos.

7) Retificar o sal e a pimenta se necessário.

8) Acrescentar os cubinhos de abacaxi para refrescar o prato. Envolver no molho e na carne, sem deixar cozinhar. 

9) Servir com arroz branco ou outro ao vosso gosto. 

Beijinhos

terça-feira, 26 de Agosto de 2014

Copo menstrual

(imagem retirada da internet)

Já há muito tempo que tinha vontade e curiosidade em experimentar, mas andava a adiar porque como tomo pílula contínua, por causa da minha endometriose, não menstruo todos os meses.

Comecei a pensar que talvez não compensasse a compra, embora me parecesse uma solução muito mais saudável, higiénica e sustentável. E também uma opção mais barata a médio prazo.

Informei-me o mais que pude acerca das marcas que comercializam os copos menstruais em Portugal, assim como as contra indicações que poderiam existir para o meu caso em específico.

Vi imensos vídeos, li imensos relatos e cheguei à conclusão que quem usa não quer outra solução.

Esclareci todas as minhas dúvidas e avancei para a compra em abril. A minha curiosidade não havia de morrer à fome.

Estava indecisa entre duas marcas, mas acabei por optar pela Meluna.

O testemunho de uma das minhas ginecologistas no vídeo disponível no site da Meluna acabou por ser decisivo na minha escolha.

Contrariando as minhas expetativas, ao fim destes quase 5 meses já usei o copo muito mais vezes do que eu imaginava.

Embora não menstrue todos os meses, vou tendo ligeiras perdas ao fim de algum tempo (os chamados spottings). Passei a usar o copo menstrual nessas alturas, dispensando os pensinhos diários.

Quando menstruo, uso o copo em substituição dos pensos normais ou tampões.

Confesso que não foi o facto de ser uma opção mais verde e mais amiga do ambiente a minha primeira motivação para a compra do copo.

O que me motivou mesmo foi o facto de poder dispensar pensos, tampões, odores, alergias que fazia com os pensos, e ser uma opção mais limpa e saudável que as anteriores. E se em resultado disso pudesse ser mais amiga do ambiente, então seria ouro sobre azul.

Escolhi o copo que se adaptava a mim (consoante o tipo de mulher, os copos não só variam nas cores, como em tamanho, tipo de pega e maleabilidade) e encomendei-o online no site da Meluna pelo preço de 23,90 euros com portes de envio incluídos. Como o copo tem a duração de 10 anos, fazendo contas aos gastos de pensos e tampões durante o mesmo período de tempo, penso que ficou bastante em conta o valor que paguei.

(imagem retirada da internet)

O copo chegou com rapidez e a espera pela primeira utilização ficou envolta em grande expetativa.

Embora ainda não tenha muitos meses de utilização, posso dizer que estou bastante satisfeita com a compra. Aliás, recomendo a 100% a quem quer que me pergunte sobre a opção de usar um copo menstrual. É um espetáculo.

Mas também é verdade que no inicio não é intuitiva a aplicação e remoção do copo e tive alguma dificuldade em acertar  com a correta colocação.

Mas nada que a prática não resolva. Ao fim de algumas tentativas vamos percebendo a melhor forma de colocarmos o copo.

Aliás, com a prática já cheguei a algumas conclusões pessoais que poderão ser úteis a terceiros:

1) Quando usava tampões, dava-me mais jeito colocá-los de pé ou com uma perna apoiada e sobrelevada. A experiência dos tampões levou-me a tentar colocar o copo da mesma maneira, mas aos poucos fui-me apercebendo que sentada conseguia com muito maior facilidade introduzir o copo e colocá-lo corretamente. 

2) O copo não deve ser introduzido tão profundamente como um tampão, pois corre-se o risco de ficar dobrado e não se conseguir expandir. É necessário que ele se expanda e crie vácuo. Só assim se garante que não existirão fugas. 

3) Para confirmar que está bem colocado, puxo-o ligeiramente para baixo através da pequena pega. Se oferecer resistência é porque está bem colocado. Se não oferecer, puxo-o ligeiramente para fora, rodo-o e volto a empurrá-lo ligeiramente para dentro.  

4) Há dias em que não preciso, mas há outros em que para facilitar a introdução do copo molho ligeiramente a parte exterior com água para escorregar melhor, mas quem preferir pode usar um lubrificante à base de água.

Mas é com a utilização que vamos percebendo como é que ele se adapta ao nosso corpo, qual é a melhor forma de o colocarmos, etc... e vamos ficando prós e super rápidas :)

Para a colocação do copo eu prefiro dobrá-lo utilizando as seguintes técnicas (sobretudo a técnica 2), mas existem muitas mais.


O copo é fácil de introduzir e de retirar. Quando bem colocado, até é fácil de nos esquecermos que o estamos a usar.

Nos dias em que o fluxo não é demasiado abundante, ele pode ficar colocado até 12 horas. Confesso que esta parte é espetacular, sobretudo quando se está na praia. É outra comodidade e sossego.

Na hora de esvaziar é só apertar ligeiramente a base do copo, para retirar o vácuo, puxar na vertical e verter o seu conteúdo na sanita. Depois passar por água e voltar a colocar. Nada mais fácil.

Ainda não passei pela experiência de ter de o esvaziar numa casa de banho pública, porque como posso estar com ele cerca de 12 horas, acabo por tratar dessa parte sempre em casa. Mas quando isso vier a acontecer é só transportar uma garrafinha de água comigo e na altura de verter o copo, passar por água, limpar com papel higiénico ou uma toalhita e voltar a colocar. Não me parece tarefa complicada.

Por experiência própria posso dizer que a utilização do copo permite-nos conhecer muito melhor o nosso corpo. 

Quando retiramos o copo, o sangue não tem um odor forte, não cheira mal, a menos que exista alguma infeção ou complicação ginecológica.

O cheiro só existe quando em contacto com o ar, daí a necessidade de termos de mudar com regularidade os pensos.

O copo resolve também muitos dos problemas associados ao uso dos tampões. Os tampões absorvem não só o fluxo interior como o exterior. Por exemplo, absorvem a lubrificação natural da vagina, tornando-a mais seca, mas também a urina se formos à casa de banho com o tampão colocado. Se estivermos na praia ou na piscina o fio absorve igualmente outros fluxos que se misturam com o sangue menstrual e que vão ficar a marinar no interior do nosso corpo durante horas, correndo o risco de contrairmos infeções. O copo além de resolver todos estes problemas ainda tem a vantagem de poder ser usado durante muito mais tempo porque não é um absorvente.

No fim da utilização é só esterilizar o copo e guardar no saquinho próprio (que é bem fofinho por sinal) até à próxima menstruação.

Só lamento não ter começado a usar mais cedo esta solução porque é realmente outra comodidade, limpeza e liberdade. Só o facto de uma pessoa se sentir totalmente limpa e seca naqueles dias mais aborrecidos é outra coisa, é outra qualidade.

E por aí, há já quem se tenha rendido ao copo menstrual ou tenha curiosidade em experimentar?

segunda-feira, 25 de Agosto de 2014

Bolinhas integrais com sementes

É cada vez mais raro consumirmos pão branco cá em casa, pão com farinha refinadas.

A nossa preferência vai para o pão integral e de sementes.

Como tenho a MFP, fazer pão é coisa que não dá trabalho nenhum.

Mas às vezes apetece ir intercalando o pão grande à fatia que a máquina nos dá, com o pão que vai ao forno em bolinhas.

Faço a massa na MFP, mas pode ser feita à mão, segundo as indicações expressas nos rótulos dos pacotes de farinha.

A receita que uso para as bolinhas integrais com sementes é esta:



Ingredientes:

330 ml de água morna
1 colher de sopa de azeite
250 gr de farinha integral para pão
250 gr de farinha com sementes para pão

Preparação:

1) Colocar na cuba da máquina e segundo esta ordem a água, o azeite e as farinhas.

2) Selecionar o programa de massas (na minha é o 11 e leva 1.30 minutos a amassar e a levedar).

3) Forrar um tabuleiro do forno com papel vegetal e com as mãos enfarinhadas moldar bolinhas pequenas.

4) Espetar no topo de cada bolinha sementes de girassol ou outras sementes.

5) Cobrir as bolinhas com um pano e deixar levedar por mais meia hora.

6) Levar a forno pré-aquecido a 190º C durante 25 minutos.

Se for do vosso gosto, podem acrescentar ao interior da massa outros ingredientes como passas, nozes, azeitonas às rodelas, etc... e assim fazer as variações de pão que entenderem.

Não se esqueçam que usar farinha integral no pão, nas massas ou bolos, não só enriquece o produto final com mais fibra, como aumenta o poder saciante e reduz a quantidade de açúcar. Quando numa receita a quantidade for de 200 gr. de farinha é substituir metade por farinha integral, farinha de arroz, etc. Acreditem que o resultado final é muito melhor e muito mais saudável.

Beijinhos

sábado, 23 de Agosto de 2014

O diabo não veste Prada, veste saia

Adoro saias e vestidos.

Cada vez mais.

Uma mulher que usa saia ganha de imediato o poder de ser diferente do homem, ao mesmo tempo que marca a diferença no guarda-roupa de ambos.

Não há nada que nos ponha mais bonitas e femininas com a mesma facilidade do que uma saia.

Há poder e elegância numa mulher de saias, mas também há fragilidade e sensibilidade emergente. Insisto que o diabo não veste Prada. O diabo veste saia ;)

Uma coisa é certa, as saias são peças que qualquer mulher deve ter no armário porque há saias para todos os gostos e feitios.

Nestes saldos investi em saias.

  Mango

 Zara

Zara

Trouxe estas 3 saias para casa, que devido às cores e tecidos conto usar em todas as estações do ano, mas sobretudo abusar na próxima estação outono/inverno.

Calhou, ou talvez não, serem as três saias de tamanho curto.

Sejam elas longas, midi ou curtas... sem dúvida que uma saia será sempre a rainha de qualquer roupeiro de uma mulher :)

E vocês, são fãs de saias?

Beijinhos e um excelente fim de semana :)

quarta-feira, 20 de Agosto de 2014

Quiche de sardinha e vegetais

No último feriado os meus sogros fizeram uma belíssima sardinhada!

Nesta altura do verão as sardinhas estão tão boas e assadas na brasa com uma boa salada a acompanhar são mesmo um verdadeiro manjar.

No fim sobraram 3 sardinhas bem gordinhas que já iam parar ao caixote do lixo, não fosse aqui a dona Luarte ter evitado tal situação.

Para espanto de todos os presentes, eu pedi para trazer as 3 sardinhas numa caixa. É assim tão impressionante não querer desperdiçar comida boa? 
O P. só torcia o nariz a dizer que não ia comer as sardinhas requentadas.

E eu cá para mim, a pensar com os meus botões, está bem, está... logo me contas se não comes as sardinhas ;)

Para um dos jantares seguintes fiz uma quiche de sardinha e vegetais mesmo boa.


Ingredientes:

- 1 base de massa folhada
- 3 sardinhas assadas (sobras de peixe)
- 1 cebola média
- 3 dentes de alho
- 1/4 de pimento vermelho às tirinhas finas
- vegetais crus a gosto
- tomates cherry q.b
- 2 a 3 colheres de sopa de molho de tomate
- azeite, sal, pimenta e oregãos q.b
- 3 ovos
- 100 gr de queijo creme light

Preparação:

1) Num tacho ou frigideira fazer um refogado com azeite, cebola, alho e as tirinhas de pimento vermelho.

2) Acrescentar os vegetais crus (usei rodelas de alho francês, courgette e espinafres) e deixar cozinhar.

3) Adicionar os lombinhos das sardinhas, desfiados grosseiramente e livres das espinhas mais evidentes (existirão sempre algumas espinhas fininhas que são inofensivas e impercetíveis ao paladar).

4) Acrescentar molho de tomate para dar alguma cor ao preparado e uma pitada de sal e de pimenta preta para destacar o sabor dos alimentos.

5) Forrar a tarteira com a massa e picar a base com um garfo para cozer melhor.

6)  Verter o preparado por toda a forma.

7) À parte, e numa tigela, colocar o ueijo creme light, (usei metade de uma embalagem da marca Linessa, à venda nos supermercados LIDL) e emulsionar com uma colher, de modo a obter um creme liso. Esta é a minha alternativa às natas porque é menos gordo e muito menos calórico.

8) De seguida bater o queijo creme com os ovos inteiros e temperar com um pouco de pimenta.

9) Verter os ovos e o queijo sobre todo o preparado e acrescentar tomates cherry cortados ao meio e virados para cima. Temperar com oregãos.

10) Levar a forno pré-aquecido a 200º C durante 15 minutos e depois reduzir para 180ºC nos últimos 10 minutos.

Acompanhei esta maravilhosa quiche com uma salada de agriões e laranja.

E foi assim que as sardinhas não foram parar ao lixo. O P. voltou a comê-las, contrariando as suas expetativas. E fez-se acima de tudo uma refeição super nutritiva, saborosa e saudável. 

E vocês, costumam aproveitar as sobras de sardinha assada? 

Beijinhos

segunda-feira, 18 de Agosto de 2014

A máscara anti-idade mais simples e barata

Gosto muito de aplicar esta máscara, porque é simples, ultra económica e veem-se resultados.

Trata-se da famosa e tradicional máscara de clara de ovo.

(imagem retirada da internet)

A clara de ovo ao ser rica em colagéneo e albumina, dá firmeza ao rosto e combate a flacidez, deixando-a não só mais firme, como mais suave e aveludada.

Contém ainda agentes antioxidantes, como o selénio, zinco e vitaminas A e E que ajudam a prevenir o envelhecimento precoce da pele.

A receita que uso não pode ser mais simples:

(imagem retirada da internet)

Ingredientes:

1 clara de ovo
1 disco de algodão

Preparação:

1. Limpa-se e seca-se todo o rosto antes da aplicação da máscara.

2. Coloca-se a clara de ovo numa taça separada da gema.

3. Molha-se o disco de algodão na clara e aplica-se cuidadosamente a clara em todo o rosto, de baixo para cima, contornando a zona dos olhos.

4.  Repetimos a operação para criar camadas de clara e tornar  a nossa máscara mais espessa.

5.  Para acelerar a secagem entre camadas, podemos recorrer a um secador de cabelo. Direcionamos o secador no frio para a face a uma distância de alguns centímetros. Mais rapidamente sentimos o poder da clara. Durante a aplicação e a secagem começamos a sentir a pele repuxar. Evitar falar ou mexer o rosto durante este processo.

6. Deixar atuar 30 minutos. Durante este tempo sentimos a pele a puxar, a repuxar... a sensação é incrível.

7. Decorrido o tempo, enxaguar a pele com água morna para retirar toda a máscara.

8. Hidratar normalmente com o nosso creme de rosto.

Uma clara de ovo dá perfeitamente para duas aplicações. A restante clara que sobra da primeira aplicação pode guardar-se num pequeno recipiente fechado e congelar. Quando quisermos voltar a usar a clara é só deixar descongelar e aplicar. As propriedades continuam lá.

Simples não é?

E o rosto fica lisinho, luminoso, suave e macio. 

Não havendo efeitos colaterais nesta receita, podemos aplicar a máscara de clara de ovo com a regularidade que quisermos.

Há por aí quem aplique esta máscara? Ficaram com vontade de experimentar?

Não se esqueçam que cuidar de nós próprios é cuidar da nossa auto-estima, é gostarmos mais de nós.

Beijinhos

sexta-feira, 15 de Agosto de 2014

Praia Ativa

Neste mês de férias tenho aproveitado muitas manhãs para ir à praia.

E tenho aproveitado para tirar o máximo partido dessas idas.

No verão a praia é um dos lugares mais privilegiados para fazermos imensas coisas, além de estarmos de papo para o ar a apanhar banhos de sol.

Logo que chego e escolho o lugar onde ficar, besunto-me com o protetor solar. Como ainda há pouca gente na praia, faço uma corridinha à beira mar. 

(imagem retirada da internet)

Correr pela areia estimula as terminações nervosas da planta dos pés e exige um maior esforço muscular.

Quando atinjo o meu limite, caminho dentro de água. Este exercício é uma ótima massagem para as pernas porque fortalece os músculos e melhora todo o sistema cardio vascular. Além disso, ajuda a queimar mais calorias (cerca do dobro) do que se caminhassemos em terra.

Na toalha aproveito para fazer uns abdominais, pranchas e flexões.

Como não pratico desportos aquáticos, limito-me a dar uns mergulhinhos e umas braçadas se a água não estiver muito gelada.

Praticar algum exercício físico na praia enquanto aproveito o sol e o mar tem-me motivado imenso.

Sinto-me mais ativa, mais forte e com mais energia.

O corpo e a mente agradecem! ;)

E por aí, também costumam aproveitar a praia para fazer algum exercício?

Beijinhos. Bom feriado. Bom fim de semana :)